gestao_empresarial

Cultura de uma empresa,flavio itavo,turnarounder

Cultura de uma empresa

Turnarounder explica como mudar a cultura de uma empresa

Cultura de uma empresa: Flávio Ítavo, especialista em recuperação de empresas e readequação aos novos tempos do Mercado, indica que é preciso calma e coragem para fazer as mudanças necessárias

Cultura de uma empresa: Mudanças em culturas organizacionais são ao mesmo tempo necessárias e complicadas de serem feitas. As empresas, como um todo, têm que ajustar suas culturas às condições externas do mercado. Neste movimento, estes ajustes são realizados no dia a dia da corporação. As que falham de maneira mais intensa em se ajustar acabam fazendo parte do time das que estão em crise e com dificuldades. O especialista em recuperação de empresas e readequação aos novos tempos do mercado, Flávio Ítavo, exemplifica: “Um salão de cabeleireiros que se recusa a usar novos produtos para coloração, decidindo de maneira categórica a utilizar somente aqueles que em algum momento foram um diferencial e apresentaram uma boa aceitação. Culturalmente todos os profissionais deste empreendimento estão acostumados a usar tais artigos e não haverá falhas na aplicação destes. Ao mesmo tempo, se não há atualização no roll de itens, não há necessidade de treinar novos procedimentos. Assim, o processo é sempre o mesmo, com os mesmos produtos e resultados”. A propensão de uma atitude como esta é se transformar num círculo vicioso, onde a cada período sem o uso de novos produtos aumenta a dependência na utilização dos antigos. Há também a dificuldade em se perceber a oportunidade que novos itens podem representar. Entretanto, nos negócios, seja de qual segmento for, a inovação é um dos pilares na captação de novos serviços e clientes. Ao desconsiderar esta realidade a empresa coloca sua cultura em oposição a uma tendência de mercado. Ao longo do tempo, esta decisão vai obrigatoriamente afunilar a captação de novos clientes e mesmo a manutenção dos antigos ao perfil de quem será tão conservador quanto a cultura da empresa.

Como mudar a cultura de uma empresa

Ítavo explica que quando há uma situação na qual a cultura tem que ser modificada para que haja a continuidade da empresa, o caminho invariavelmente passa por 4 pontos. Saiba quais são eles:
  1. Achate sua pirâmide hierárquica. Quanto mais níveis hierárquicos existir em uma organização, menor será o controle, mais tempo será necessário para ajustar os comportamentos e mais difícil será sua tarefa. Uma coisa é treinar dois níveis, outra é treinar cinco ou seis níveis hierárquicos;
  2. Empodere (empowerment) seus trabalhadores. Quanto maior for o nível de capacidade de decisão ao longo de toda a cadeia, mais rápidas serão as respostas e melhor será a adesão a novas culturas. Lembre-se, contudo, que dar poder significa correr maior risco e maior necessidade de treinamento;
  3. Se aproxime dos clientes. Quanto maior a distância da gestão dos clientes, menor será o entendimento das necessidades de ajustes de cultura;
  4. Finalmente, o ápice da questão: treinar, treinar e treinar.
Mudanças de cultura, por mais complexas que sejam, fazem parte do controle de crises, assim como fazem parte da gestão de empresas em geral. É importante manter a calma e ter coragem para fazer as mudanças necessárias. “É melhor controlar o processo que ser controlado pela ausência de coragem em mudar”, finaliza o turnarounder.

Sobre Flávio Ítavo

Executivo com 30 anos de experiência em empresas multinacionais e nacionais de grande porte de diferentes segmentos, atualmente, Flávio Ítavo é um dos maiores especialistas em Turnaround, focando seus esforços na recuperação de empresas e readequação aos novos tempos do mercado. Também tem uma carreira sólida como negociador, na criação de alianças, joint ventures, compra e venda de empresas, desenvolvedor de estratégias e táticas de sucesso, criador e iniciador de novos segmentos, produtos e mercados. flavioitavo.com.br | flavio_itavo@uol.com.br  

Continue Reading No Comments

culturas e estratégias empresariais,flavio itavo,inteligência emocional,turnaround

inteligência emocional

Especialista em turnaround explica a importância de usar a inteligência emocional durante as crises empresariais

Inteligência emocional: Flávio Ítavo ensina como treinar e desenvolver tais habilidades

A inteligência emocional é a habilidade de identificar e entender suas próprias reações emocionais assim como a dos outros. Incluso neste pacote está também a capacidade de alguém para controlar e regular tais emoções e usá-las de maneira adequada nos momentos de tomar decisões ou executar ações. Sem o uso desta, a maior parte das pessoas, em determinados momentos, fica exposta a todo tipo de reações sob o efeito de fortes emoções que podem propiciar mais riscos que benefícios. Grandes frustações, dores, medos, possuem o potencial de sequestrar a capacidade de uma pessoa se manter racional, induzindo a ações e decisões nem sempre adequadas. Desta forma se faz muito necessário a todo gestor, que esteja vivendo uma crise ou não, se preparar adequadamente para estes possíveis eventos, aprendendo a controlar suas próprias reações. “Lembre-se que os lideres só são líderes enquanto estiverem mostrando o caminho, capacitados a escutar, entender e definir, sem gerar pânico, sem estressar mais que o necessário sua própria estrutura e equipe, de maneira a fazer a coordenação dos recursos da maneira mais racional o possível”, afirma Flávio Ítavo, especialista em recuperação de empresas e readequação aos novos tempos do mercado. Há várias abordagens quanto ao fato de se poder ou não desenvolver a Inteligência Emocional depois de adulto. Há aqueles que não acreditam que ela possa ser desenvolvida, enquanto outros creem que isto não só é possível, como também é algo simples e rápido. Ítavo acredita que as habilidades relacionadas a Inteligência Emocional possam ser desenvolvidas, treinadas e aperfeiçoadas, mas não que seja algo fácil e rápido. Na verdade, defende que é um processo de aprendizagem contínua, mais fácil para alguns que para outros.  

Como fazer para treinar e desenvolver tais habilidades?

Por uma série de razões biológicas relacionadas à estrutura do pensamento, modificar capacidades e habilidades emocionais é algo que só pode ser feito através de experiência e contínuo experimentar. Isto está diretamente relacionado à capacidade de gerar experiências nas quais se possa com o tempo analisar e absorver. Uma coisa é falar e planejar toda uma descida de barco em um rio. Outra é pegar sua equipe, entrar de madrugada em um rio frio, caudaloso e rápido e passar o dia vivenciando a aventura, com tudo o que isto implica em termos de risco, alegrias, emoções, coordenação de equipe, frio, esforço e tudo o mais que está contido na experiência. Uma coleção de experiências pode, ao longo do tempo, ensinar o suficiente para trocar suas respostas emocionais mais imediatas. É fundamental que os gestores tenham ciência de que há um aprendizado a ser feito ao longo dos anos em termos de Inteligência Emocional. Não há ninguém que após a infância esteja totalmente pré-ajustado a apenas um tipo de resposta a um determinado estímulo. Aprender é importante, estar atento para o aprendizado talvez seja mais importante ainda. Quando estiver em meio a uma crise séria, antes de responder ou comunicar seja lá o que for, tenha por certo que sua respiração esteja equilibrada e seu cérebro não esteja “sequestrado”. Utilizar a Inteligência Emocional nos negócios está intimamente relacionado ao sucesso da empresa.  

Sobre Flávio Ítavo

Executivo com 30 anos de experiência em empresas multinacionais e nacionais de grande porte de diferentes segmentos, atualmente, Flávio Ítavo é um dos maiores especialistas em Turnaround, focando seus esforços na recuperação de empresas e readequação aos novos tempos do mercado. Também tem uma carreira sólida como negociador, na criação de alianças, joint ventures, compra e venda de empresas, desenvolvedor de estratégias e táticas de sucesso, criador e iniciador de novos segmentos, produtos e mercados. flavioitavo.com.br | flavio_itavo@uol.com.br

Continue Reading No Comments

culturas e estratégias empresariais,flavio itavo,turn around

culturas e estratégias empresariais

Flávio Ítavo fala sobre culturas e estratégias empresariais

Culturas e estratégias empresariais: Especialista em turnaround compara ambos e destaca os ganhos e prejuízos

Culturas e estratégias empresariais: A cultura de uma empresa quando confrontada com a estratégia, sempre vence. Ela se fixa em uma empresa ao longo dos anos exatamente pelo fato de obterem por anos uma infinidade de sucessos através desse conjunto de valores. Qualquer que seja ela só se tornou cultura porque em algum momento aquele conjunto de ações, posicionamentos e valores se mostrou eficiente em trazer resultados. As estratégias, quaisquer que sejam, só conseguem ser implementadas se não estiverem diametralmente opostas à cultura soberana na empresa. “Uso sempre como exemplo um grupo de empresas que geri, no qual fazia parte da cultura a agressividade comercial. Os sucessos eram contados em unidades e muitas unidades representavam mais ganhos, mais poder, mais ascensão profissional. Quando o mercado se mostrou mais propício a preço do que a volume, a empresa tentou alinhar sua estratégia neste sentido, mas teve muitas dificuldades, até porque a gestão na ocasião acabou adotando uma nova postura inflexível. O resultado foi uma grande crise com muitas perdas significativas, já que todos na empresa estavam imbuídos de conceitos relacionados a volume. No final do dia não se comemorava o atingimento de um valor de contribuição ou um percentual de ganho, continuavam a comemorar as unidades vendidas, como se isto fizesse algum sentido na ocasião.”, conta Ítavo – profissional que acumula anos de experiência em empresas multinacionais e nacionais de grande porte. As decisões nas empresas não são geradas apenas por um pequeno grupo. Empresas são organismos vivos que contam com gestões diferentes, mas que estarão sempre envolvidas para um bem comum, e em quaisquer situações que ocorrerem com a empresa – sejam elas boas ou ruins. “Minha ponderação sobre o assunto, que envolve o ambiente de controle, governança corporativa e conceitos éticos são sempre claros, apesar de pouco divulgados.”, conclui Ítavo.

Saiba mais:

Flávio Ítavo | flavioitavo.com.br | flavio_itavo@uol.com.br  

Continue Reading No Comments