O Ponzi na China

Artigos do “The Economist” sobre o Ponzi na China

Quase duas semanas atrás o programa Money Talks (Internet Audio by “The Economist”), apresentou

Quase duas semanas atrás o programa Money Talks (Internet Audio by “The Economist”), apresentou sua visão sobre a questão dos websites “peer-to-peer” que permitem aos chineses possuidores de valores para emprestar, fazer empréstimos a quem estiver interessado neste tipo de financiamento. Os P2P são Fin fazem a intermediação. Os sites foram um grande sucesso em 2015, praticamente quadruplicando seu volume de transações neste período em relação a 2014, sofrem do mal que atinge a quase tudo na China, ausência de regulamentação válida que previna o uso indevido dos meios e fins. O resultado está aparecendo há alguns meses e pode significar uma pressão ainda maior sobre uma economia que já não está tão bem das pernas quanto era há dois anos atrás. Hoje temos um rombo de aproximadamente 8 bilhões de US$ dólares que atingem meros 900.000 chineses investidores em esquemas Ponzi. O hoje que começa o parágrafo é por enquanto mesmo.

charles_ponziO imigrante italiano Charles Ponzi na década de 1920 fez fortuna com um esquema aparentemente simples, para os dias atuais, mas complexo para o período em questão. Ele “descobriu” que os selos postais de retorno do correio internacional podiam ser vendidos nos USA por um preço maior que no estrangeiro. Assim, através desta motivação um tanto “esdrúxula” ele criou o motivo para ganhar muito dinheiro. Ponzi motivava a todos os que conhecia, a aplicar com ele os valores que seriam remunerados a taxas altíssimas. Em 1920 ele prometia 100% de juros em 3 meses ou 50% por 45 dias.Obviamente seu negócio de compra e venda de selos não apresentava tais taxas de retorno. A bem da verdade nem foram efetivadas transações no sentido de operacionalizar as compras postais. Todos queriam aplicar, ninguém queria sair e quando alguém eventualmente saia, não era difícil honrar as aplicações com o dinheiro dos novos investidores. Esquema absolutamente similar foi utilizado nas famosas pirâmides financeiras da década de 70/80 e também ao que Bernard Madoff aplicou quase 70 anos após o Ponzi original, só que desta vez o volume fraudado foi de aproximadamente 65 Bilhões de US Dólares.

Não dá para afirmar que todo o mercado P2P da China esteja contaminado, mas de acordo com artigo abaixo, pelo menos 1 em cada 3 chineses aplicaram em empresas sob esquema Ponzi. Também não dá para se afirmar que sejam poucos os proprietários de sites que estão envolvidos em fraude. Nos últimos meses são 266 os que fugiram para não enfrentar as consequências.

Porque estou trazendo a matéria/post?

É simples. Há algum tempo coloquei aqui neste espaço uma série de posts sobre a Grécia e algumas das similaridades entre as desgraças econômicas que afligiam aos dois países (Grécia & Brasil)  Na época nem todo mundo botou fé no que estava sendo apresentado e na possibilidade de que nós (Brasil) nos tornássemos uma Grécia amanhã. Pois bem, parece que o número de céticos está diminuindo à medida em que nossa dívida interna continua a explodir, processo similar ao que acontece com nossa inflação, a questão política não anda e nosso planejamento estratégico continua a ser inexistente.

Com o exemplo da China acontece exatamente o mesmo. Há dois anos eu não conseguiria ver a Petrobrás moída a ponto de parecer que uma ruptura se encontra no horizonte. Hoje isto não só parece possível, mas altamente provável. Sim, eu sei, nosso mercado é muito melhor regrado e muito mais sério que o da China, mas mesmo assim estamos com a questão Petrobrás da mesma forma que o apressado comendo coxinha… Com o palito atravessado no pescoço!

Boa leitura!

Money talks A peer-to-peer Ponzi scheme Feb 2nd 2016, 17:51 BY ECONOMIST.COM  http://www.economist.com/blogs/freeexchange/2016/02/money-talks

lufax

China’s P2P lending boom Taking flight The allure and the peril of Chinese fintech companies Jan 23rd 2016 | SHANGHAI | From the print edition http://www.economist.com/news/finance-and-economics/21688940-allure-and-peril-chinese-fintech-companies-taking-flight

ONE of the supposed virtues of peer-to-peer lenders—websites that connect borrowers to people with money to lend—is transparency. They often publish a range of information about those seeking loans (credit history, employment status, income), so that the investors stumping up the money know what they are getting into. So it is fitting that Imperial Investment, a Chinese P2P firm, is impressively transparent about its own circumstances. Earlier this month it published four separate notices from police, employees and family pleading for its runaway founder to return. “Our faces are bathed in tears,” the employees wrote. Chinese media were far more phlegmatic about the woes of Imperial Investment, which has facilitated 935m yuan ($142m) in loans since its launch in 2013. “Runaway P2P bosses are no longer newsworthy,” declared the Jinling Evening News. At the end of 2015, nearly a third of all Chinese P2P lenders (1,263 out of 3,858) had run into difficulties, according to Online Lending House, an industry website. It classifies them according to the nature of their troubles: halted operations, disputes, frozen withdrawals or, as in the case of Imperial, bosses who have absconded. Running away may sound rather extreme but it turns out to be popular: 266 P2P bosses have fled over the past six months, by Online Lending House’s count. Although most of the firms in trouble are small, a few bigger ones have also come unstuck: Ezubao, China’s biggest P2P lender, which has arranged $11 billion-worth of loans, is one of the firms with frozen accounts. Chinese P2P lenders’ many and varied problems might be expected to deter investors. Yet some of the bigger, better-run firms are still attracting serious money. In December Yirendai, the consumer arm of P2P lender CreditEase, became the first Chinese “fintech” firm to go public abroad, listing on the New York Stock Exchange with a valuation of around $585m. Earlier this month Lufax, a platform for a range of products including P2P loans, completed a fundraising round that valued it at $18.5 billion, setting it up for a keenly anticipated IPO. Both companies pride themselves on their risk controls

Daily dispatches: China’s market mess The optimistic scenario is that well-managed fintech firms will bring much-needed competition and efficiency to China’s sclerotic banking system, and profit handsomely while at it. The biggest lenders in China are mammoth state-owned banks, which tend to favour lending to state-owned enterprises over lending to private firms. That cedes plenty of space to P2P firms to build up their customer base and deliver credit to previously overlooked segments of the economy. The worry, though, is that the sudden rush of money into P2P could push even good firms into bad lending decisions. Outstanding P2P credit rose more than tenfold over the past two years, from 31 billion yuan at the start of 2014 to 439 billion yuan at the end of last year. Average lending rates, meanwhile, fell from nearly 20% to 12.5%. Should inflows to P2P firms slow, lending rates will not be the only thing to spike higher: so too will the incidence of runaway bosses.

 

Tags:

Trackback from your site.

flavio

Atualmente é CFO & Turnarounder do Grupo Dallas (Avis & Budget Rent a Car) e autor do Blog.

Leave a comment

You must be logged in to post a comment.